Meu Perfil
BRASIL, Centro-Oeste, BRASILIA, Homem, de 26 a 35 anos, Arte e cultura, Livros
MSN - hsazev@hotmail.com



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Blog do Humberto Azevedo


Já arquitetam golpe para burlar decisão do STF sobre fidelidade partidária

Como sempre no Brasil, as artimanhas para passar por cima dos interesses da coletividade e favorecer interesses pessoais de certos grupos, vão voltar a serem usadas. Como se dizia no império, se a lei ...

Poucos dias após a histórica decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de bater o martelo e deixar bem claro que os mandatos eletivos são do partido e não dos parlamentares, as saletas encaretadas já testemunham reuniões para golpear a decisão judicial. Vão meter a faca novamente na já cambaleante Constituição brasileira. À surdina e na arrogância preparam uma Emenda à Constituição que garanta até 2010, que os que trocarem de legendas não serão punidos.

Para ler este artigo na íntegra clique no linque: http://www.serrasdoplanalto.com.br/?pg=desc-noticias&id=98



Escrito por Humberto Azevedo às 16h06
[] [envie esta mensagem] []



Palmas a decisão coerente do STF de manter norma do TSE

A decisão tomada ontem pelo STF (Supremo Tribunal Federal), nesta quarta-feira - 12 de novembro, de manter a norma decisória do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é digna de registro. Louvamos a plena e sábia decisão dos maiores juízes do Brasil, pois, acertaram ao manter tal norma. A democracia brasileira agradece.

Leia a opinião completa no sítio: http://www.serrasdoplanalto.com.br/?pg=desc-noticias&id=87



Escrito por Humberto Azevedo às 10h38
[] [envie esta mensagem] []



A esperança venceu o medo nos Estados Unidos

A exemplo do que ocorreu no Brasil em 2002, a esperança venceu o medo nos Estados Unidos da América. Isso não quer dizer, necessariamente, que o governo Obama será espetacular. A vitória foi. O governo, não sabemos. Não temos bola de cristal que preveja o futuro. A decepção ou decepções virão, pois só nos decepcionamos quando temos esperança. Foi assim com Lula e sobretudo com o PT. Mas creio e acredito que os bons ventos da economia no país ianque e no resto do planeta voltarão próximo aos números do período Clinton.  Bush foi tarde. Graças ao bom Deus. Ou seria God?

Só de saber que a direita malévola e estúpida se estrepou, eu vibrei! O planeta viverá novos ares. Menos guerras forçadas e mais diálogo. Os fantasmas de Stalin e dos caças aos comunistas, que tanto a direita propaga, para aplicar suas receitas cruéis irão em definitivo para o baú das coisas velhas.

Provavelmente até Cuba deverá voltar a democracia. O embargo ianque a ilha terá um fim e aos poucos, logo, logo, os cubanos elegerão democrática e diretamente seus dirigentes.

A imagem de jogadores futebolísticos do Estados Unidos e do Irã se confraternizando, como vimos na Copa do Mundo de '98 na França, poderá acontecer novamente.

No tempo do imediatismo, parece que vivemos uma eternidade sob o manto do sacro-infernal dos oito anos de George Bush. Na última Copa do Mundo, na Alemanha em 2006, parece que iranianos e ianques voltavam a ser velhos rabugentos intolerantes. Tudo isso por culpa única de um QI abaixo da média e de uma direita exclusivista que atenta contra o Estado de Bem Estar Social.

Ave Obama! Ave a paz! Ave o diálogo!



Escrito por Humberto Azevedo às 11h50
[] [envie esta mensagem] []



A fusão do Itaú e o Unibanco

Surge o Bank UnItaú! Pois bem, depois de se reunirem sigilosamente por mais de um ano, eis que os diretores dos dois bancos, em meio a surpresa da "Grande Crise Economica Mundial", acertaram que os dois passam a ser um só. Saem de cena o Itaú e o Unibanco e entra em cena o Bank UnItaú. provavelmente os canalhas não irão adotar esse nome. Vai ficar como sempre ficam as coisas aqui no Brasil. Recentemente a fusão mais debatida era a da Sky (empresas Globo) e Directv. Ficou SKY, embora as empresas Globo deterem apenas 26% das ações da nova Sky. O nacional se estrepou e ficou em minoria com o interancional. Assim foi com a Ambev. Antártica e Brahma, rivais em tudo no passado, em nome da modernidade e do pensamento "expansionista" da economia brasileira criaram um dos maiores grupos cervejeiros do planeta. O que aconteceu mais ou menos uma década depois? O maior conglomerado brasileiro no ramo de bebidas não era mais brasileiro e sim BELGA. Internacional! Bingo.

Alguém dúvida que no futuro próximo o Bank UnItaú não será mais brasileiro? Joguem suas fichas e façam suas apostas. O incipiente capitalismo brasileiro é bosta de neném quando se trata de compará-lo com os capitalistas do Norte.



Escrito por Humberto Azevedo às 16h55
[] [envie esta mensagem] []



As chances de vitória de Ciro Gomes

Será que Ciro Gomes têm alguma chance de se tornar o próximo presidente da República? Como em política o mesmo ditado válido é o do ludopédio, tudo pode acontecer. Mas vejamos: Ciro poderá ser o próximo presidente ou até mesmo vice tanto por uma chapa governista, independente e até oposicionista.

Se o barco da economia que sustenta o atual governo furar, não tenho dúvidas que Ciro zarpará dele em segundos. Se não, analisemos então, poderia ser o vice de uma chapa governista comandada por Aécio Neves, desgostoso do ambiente tucano. A chapa imaginada é PMDB-PSB com PT, PDT, PCdoB, PR, PP, e mais alguns nanicos.

Numa eventual chapa independente, Ciro Gomes, vai pela sua aliança já formada e conhecida pelos imbecis da Grande Mídia como bloquinho. PSB-PDT-PCdoB.

Ou até mesmo numa chapa oposicionista, apagando o rancor com a cúpula tucano e seguindo José Serra.

São três apostas. Eu não aposto em nenhuma, apesar de ter meus palpites. Mas mesmo assim, quais destas chances, Ciro Gomes tem a maior de se tornar o maior ou segundo maior personagem da política brasileira.

Eu sei que tudo é especulação. Talvez ou provável que ele (Ciro) adote uma estratégia não contida aqui. Mas ele é ou não um presidenciável? Claro que é! Basta saber por qual caminho.

Quem viver verá!



Escrito por Humberto Azevedo às 17h50
[] [envie esta mensagem] []



Pequena análise (milnha) evolutiva da política brasileira

Segue uma pequena análise minha sobre a situação do quadro evolutivo da política brasileira dos últimos 50 anos. 

Até 64 – UDN (projeto de Brasil: privatista, internacionalista, capitalista liberal) / PTB (projeto de Brasil: estatista, nacionalista, trabalhista mediador) / PSD (projeto de Brasil: estatista e privatista ‘regulador’, nacionalista ‘alguns pontos’ e internacionalista ‘outros pontos’, capitalista conservador ‘nem liberal nem trabalhista)

Governo de 64 – Arena (projeto de Brasil: privatista no conceito e estatista na prática, nacionalista nos moldes e internacionalista na economia, capitalista regulador) / MDB (projeto de Brasil: democratista, estatista, nacionalista e social-democrata) 

Pós 64 – PSDB (projeto de Brasil: privatista regulador, internacionalista e social-democrata) / PT (projeto de Brasil: privatista regulador, internacionalista, social-democrata) / PMDB (projeto de Brasil: ser o principal parceiro do partido ocupante do poder)



Escrito por Humberto Azevedo às 17h40
[] [envie esta mensagem] []



Sítio profissional no ar

A partir de agora deverei publicar minhas notas & comentários em meu sítio profissional www.serrasdoplanalto.com.br que ainda estou a acertar os últimos detalhes. Como lá é um jornal, o caro amigo leitor poderá encontrar várias matérias sobre vários assuntos. Espero que gostem e conto com a visita.

Escrito por Humberto Azevedo às 16h25
[] [envie esta mensagem] []



Direita que estatiza não estatiza e equilibra a economia, mas esquerda que estatiza é um desastre

Quando a esquerda estatiza é um desastre, segundo as interpretações dos engomadinhos. Porém, quando é a direita que estatiza, esta age em nome da democracia e do equíbrio na economia. Essa é a analise que Vínicius Freire da Folha faz no artigo "Mercado de mentiras e seqüestros". O mesmo pode ser lido ao acessar o seguinte linque: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi0809200807.htm. Vale a pena a leitura.

Escrito por Humberto Azevedo às 13h43
[] [envie esta mensagem] []



Republicação de uma resposta dada ao pentelho do Reinaldo Azevedo

Republico abaixo um artigo meu, acredito que escrito no ano passado, que tratei sobre a opinião canhestra ou manipuladora do Reinaldo Azevedo que afirmara que PT e PSDB não são da mesma estirpe. Embora longo, acredito que valha a pena.

Prezado Reinaldo Azevedo (ainda não sei se somos parentes),

Leio diariamente seu blog. Não o faço porque me sintonizo automaticamente com as tuas idéias, mas, o faço primeiro por dever de minha profissão e segundo para que eu possa (quanto mais ler) poder enriquecer-me intelectualmente. Assim como faço com diversos tipos de literatura. Não tenho preconceito. Leio. O que considero bom (estritamente pessoal) aproveito e o que não considero bom (mais uma vez de maneira clara especifico que é uma avaliação pessoal, individual e intransferível) armazeno, mas, sem neuras e grande considerações. Não faço parte da tua turma. Acredito que não faço parte de nenhuma. Nem da tua e nem de qualquer que seja. Porém, este teu comentário sobre Política, não concordei muito. Aliás, não concordo com muita coisa que tu escreve. Mas leio e tento enxergar o outro lado que não tenho. Tento entendê-lo e compreendê-lo. Por isso leio. Mas este teu comentário me provocou arrepios. Entendo (minha visão) que tucanos e petistas são da mesma bandalheira. Diferenças há. Não muitas. Algumas poucas. O método pode ser diferente, mas, a filosofia é a mesma. Tanto tucanos como petistas nasceram de um mesmo contexto. É inegável. Indelével. Ambos beberam das mesmas fontes. Um como o outro tem ódio pelo período varguista. Não entendem nada de Glauber Rocha. O paulistocentrismo é a fonte disso tudo. Para tucanos e ou petistas, Jango foi apenas um populista demagogo irresponsável. Ambos não condenam o golpe de 64. Mas a Revolução de 30 dá calafrios sombrios nessa gente. A Contra-Revolução de 32 é aplaudida, idolatrada e mito para postergação do futuro e continuação do Status Quo bandeirantes. Antes que algum extremista do teu blog venha me dizer baboseiras sobre este meu comentário, dizendo que sou um anti-paulista incurável, respondo que não sou. Embora mineiro (do sul de Minas), minha ligação com São Paulo sempre foi muito maior do que com a minha própria Minas. Belô sempre esteve tão distante para mim, que tenho pouca relação com a minha capital. A minha ligação com Sampa sempre foi natural devido a curta distância que me separava as estradas. Sou corintiano graças a um tio argento-paulistano. Adoro a cidade de São Paulo. Sua gente e sua cultura. Não pretendo residir aí. Até porque estou cada vez mais querendo menos agitação. E a minha realidade hoje é que estou no meio do Planalto Central. Então que nenhum doidinho de seus leitores venha a me encher a paciência por questões regionais. Sei do que estou falando. Por isso estou escrevendo. Não me leve a mal. Mas quando digo que paulistas e paulistanos são arrogantes, são. A empáfia paulistocêntrica aumentou e muito depois da surra que o Brasil inteiro deu em São Paulo no ano de 32. Aí algum doidinho leitor teu vai vir e me dizer que os mineiros é que são traíras, porque caminhávamos para um apoio às forças contra-revolucionárias paulistas, e, na última hora Minas seguiu junto com o Poder Central. Mas Minas é assim. Sou mineiro. Não damos murro em ponta de faca. Preferimos sempre apaziguar, mas, quando entramos na guerra, não saímos dela nem por decreto e muito menos por uma boiada. Vamos até o fim. É a lembrança de Tiradentes em nossa memória. O Itamar deu de presente a presidência para o seu queridinho amiguinho Fernandinho Henriquinho Cardoso. O que a patota do efe agá deu a Minas? Desprezo! Por isso que na eleição de 98, o Itamar mesmo se saindo mal diante do adversário tucanista do Eduardo Azeredo em debates, deu uma surra eleitoral nos tucanos. Foi a resposta que Minas deu a São Paulo. "Aqui não gentalhada"! O Zé Alencar que embarcou na viagem paulistocêntrica do lulo-petismo é zé dem d'água. Minas não perdeu tanto com o lulismo como com o fernando-henriquismo, mas perdeu. Só não perdeu mais por inteligência política do Aécio que sabidamente flertou o primeiro mandato inteiro do Lula com o Fantasioso da Silva e mostrou-lhe os dentes. Mais ou menos assim: "Ou vocês do petismo nos dão um pouco de retorno e respeito ou vocês simplesmente não governam". E isso gerou uma enciumada danada de vocês paulistas.

Não me venha tentar desmoralizar quem você não aceita. Não pratique desonestidade intelectual. O Brasil só está nesta roubada que está graças a vocês da Avenida Paulista. O país está sob controle paulistocêntrico já por 12 anos e vai ficar por 16. Vocês com suas porcarias melaram tanto o Brasil que hoje somos obrigados a escolher entre os que disputam a hegemonia do Poder Central a mesma filosofia, ou melhor, as duas faces de uma mesma moeda. PUTAQUEPARIU! E não me venha tentar me desmoralizar que não dá! A realidade é essa. Infelizmente. Estamos nas mãos de gentalhas do paulistocentrismo arcaico, idiota, vagabundo e mocorongo. Que quer porque quer de todas as formas e maneiras apagar da nossa história o nome de Getúlio Vargas! Mas não vão conseguir. Pois, o legado getulista é muito maior que a vã pseuda-consciência paulista possa imaginar. O nome de Leonel de Moura Brizola jamais será apagado da história do Brasil. A turma fétida da TV Globo pode até tentar milhões de vezes, mas, não conseguirá. Os lulo-petistas que também têm ojeriza ao nome de Brizola não vão conseguir apagar também. Darcy Ribeiro, o maior pensador brasileiro do século XX, não morrerá jamais. O câncer pode tê-lo levado. Mas a obra deste gênio é perpétua. Barbosa Lima Sobrinho, o maior jornalista brasileiro de todos os tempos, dissecou interim por tim-tim esse cenário mega-doido-esquizofrênico que relato. A Revolução de 30 nos tirou do atraso e caminhou e trilhou o Brasil para a tão sonhada independência econômica. O golpe de 64 que era para ter acontecido em 54 e só não ocorreu porque numa jogada de mestre, demonstrando qualquer apego, Getúlio Vargas deu-se um tiro no peito e mandou todos os golpistas para bem longe e alguns até para o inferno! Só que esses golpistas voltaram dez anos mais tarde. E nos entregaram novamente. Sou nacionalista com muito orgulho. Não tenho medo de falar que sou nacionalista. Se ser nacionalista é ser varguista, então, sou varguista. Sou trabalhista. Sou brizolista. Sou darcysista. Sou da turma do mestre Alexandre José Barbosa Lima Sobrinho. Sei que a minha turma é pequena. Muito pouco entendida. Mas sou. Não vou mudar ou me acoplar. Sou discípulo do pensamento de Gilberto Felisberto Vasconcellos. Sou conterrâneo e amigo de Yago Bueno. Sou leitor de Alberto Torres. Tenho em Alberto Pasqualini minha inspiração pela luta política. Quero a emancipação econômica do meu Brasil. Detesto a turma de entreguistas que cada vez aumenta mais. Sou fã do José Trajano.

Meu prezado Reinaldo Azevedo. Não digas e repitas essa besteira: "Não, não é verdade. O PSDB e o PT têm raízes absolutamente distintas." Eu o digo: PSDB e PT são a mesma coisa. E o falecido Sérgio Motta - que já foi tarde - antes de embarcar rogou-nos uma praga FILHADAPUTA de que essa turma toda ficaria no poder por 20 anos. O rogador de praga delinqüente! Não sei se acredito em céu ou em inferno ou ainda em transcendência espiritual, mas, se encontrasse aquele gordo estúpido na minha frente juro que daria uns bons sopapos naquela cara bochechuda entreguista. Raiva! Ódio! Argh...

Só mesmo um feiticeiro do mal para nos rogar uma praga desgraçada como essa. Estamos perdendo tempo. Os óleos vegetais que poderia nos dar independência vai se transformar em mais um setor que a patifaria pornô-financeira-internacional nos tomará conta. Lula desgraçado. Pau mandado de Geoges Soros. Sapo Barbudo que temos que engolir.

É preciso sonhar. Sem sonhar a vida já tão amarga se torna um pé. E no meu sonho sonhava que Roberto Requião, governador do Paraná sem papas na língua e de peito aberto, era eleito presidente do Brasil numa eleição em que disputava o 2º turno com o prepotente, arrogante, perfumado e endinheirado que é o atual ministro da Defesa, Nelson Jobim, e, que para tentar de qualquer jeito evitar uma vitória do "porra doida" que para eles (paulistocêntricos) o Requião representa: Serra, FHC, Alkimin e a maioria canhestra do tucanato se juntavam a candidatura do neolulista. Requião teria obtido uma péssima votação em São Paulo, algo em torno dos próximos 15% no 2º turno, mas, no restante do Brasil só dava Requião. Era um cala boca aos paulistocêntricos metidos que tanto nos forçaram a conviver nos últimos 16 anos com as porcarias do fernando-henriquismo e do lulo-petismo. "Sonhar não custa nada e o meu sonho foi ilusão". Que pena.

E para terminar minha observação ao teu comentário sem pé e nem cabeça, querido Reinaldo Azevedo, te convido a qualquer hora a vir debater comigo o pensamento de Barbosa Lima Sobrinho. Vamos debater no meu blog e no meu jornalzinho e você no teu blog e na tua revistinha os ideários do maior jornalista de todos os tempos da história do Brasil: Alexandre José Barbosa Lima Sobrinho. Vamos discutir Nacionalismo. Vamos debater Alberto Torres, Alberto Pasqualini, Darcy Ribeiro, Getúlio Vargas, João Goulart, Glauber Rocha, Villa Lobos, e porque não, o pensamento do maior intelectual brasileiro vivo no momento: Gilberto Felisberto Vasconcellos - o grande Giba!

Estou a sua disposição. O Brasil não é São Paulo e nem de São Paulo. O Brasil é o Rio Grande do Sul, é Sta. Catarina, é o Paraná, são as Minas Gerais, é o Rio de Janeiro, é a Bahia, é Pernambuco, é o Ceará, é o Pará, é a Amazônia, enfim, o Brasil é o conjunto de todos os estados que compõem esse imenso Brasil. Cheio de problemas, mas, recheado de soluções. Contraditório, rico, selvagem. Tudo isso. Até porque não citei até agora o genialíssimo Câmara Cascudo. Câmara que só vim a descobrir a muito pouco tempo e graças ao meu mestre Giba. Vamos falar de Brasil e não de São Paulo. Até porque de São Paulo eu também entendo muito. Embora mineiro, sou quase um paulista.

Atenciosamente,



Escrito por Humberto Azevedo às 16h02
[] [envie esta mensagem] []



Re: Jabour sensacional

O Jabour não tem nada de sensacional. É um babaca! Não gosto do Jabour e nem da mulher dele, a Glória Kalil. É um vendido. Um merda de um cineasta. Um invejoso do Glauber Rocha. Um vigarista. Um otário. Não gosto do Lula e muito menos do efeagá! Não gosto de tudo que é atrelado ao petucanismo!

Sou Brizola, sou Darcy Ribeiro, Sou Getúlio Vargas, Sou Jango, Sou Alberto Pasqualini, sou Alberto Torres, sou Barbosa Lima Sobrinho, sou anti-Globo.

Como dizia o velho Briza, o PT é a UDN de tamancas.

Estamos ferrados com o modelo multinacional-privatizante do petucanismo!

Só a escola nos salvará. Não essa pulha de escola que os velhos milicos pró-ianques nos deixaram e que esse engodo do lulismo-efeagá manteve.

A escola que nos salvará é o grande projeto que o Briza realizou no Rio Grande!

Os CIEPS do tesudo Darcy!

Não aquela cópia pirata que o collorido praticou no início da década de 90.

Por tudo isso, odeio o Jabour e o jabourismo!

Odeio os spans que navegam e carregam o jabourismo pela rede mundial de computadores como se fossem mantras.

Não estou nem aí para os direitistas empombadinhos!

Quero que todos estes vão para o inferno!

Só quero um dia viver no meu Brasil, onde 90% da população seja remediada, educada e consciente.

E para isso é educação ou morte!

Visite meu blog: http://humbertoazevedo.zip.net



Escrito por Humberto Azevedo às 12h26
[] [envie esta mensagem] []



10 por cento

É essa a diferença que nós brasileiros pagamos a mais que nossos irmãos de língua, os portugueses, pagam pelo crédito rotativo do CITIBANK. Enquanto aqui, nós da Bruzundanga pagamos em média 13% ao mês para as operadoras de cartões de crédito, lá em portugal, a taxa mensal é de 1,33% ao mês.

Abaixo para comprovar, está a propaganda do CITIBANK lá na terrinha.

Eu também quero que o meu cartão CITI tenha essa taxa de juros mensais!

Mas no Brasil, isso não rola.

Por isso, cada vez mais brasileiros saem de nossas terras para - mesmo que sejam desrespeitados - irem viver nos confins do mundo.

Aqui também não há muito respeito. Mas não vale a pena econômica e financeiramente.

É melhor engolir um monte de sapo em inglês, em espanhol, em francês, em alemão e qualquer outra língua, e garantir os bolsos cheios do trabalho árduo e honesto, do que ouvir sapo em português mal falado e não ter um tustão no bolso com o suor da honestidade.

Triste Brasil dos brasileiros que não abandonam o barco.



Escrito por Humberto Azevedo às 21h38
[] [envie esta mensagem] []



Impedimento já para Gilmar Mendes e para Lula

Terça-feira. 15 de julho. O Brasil chegou definitivamente no fundo, no poço e no lamaçal da ética. Os tentaculos asquerosos de gente que manda e que não deveria mandar são maiores que qualquer outra coisa no País. A Nação está jogada as traças. Situacionistas e oposicionistas são do mesmo balaio. Não temos mais o Brizola. Os políticos que ficaram significam o mais puro asco. Apenas cargos e coisa baixa se discute. Há muito o Brasil perdeu o seu foco. O Governo Lula, conforme atesta Paulo Henrique Amorim, está repleto de germes.

Relendo diversos trechos de Barbosa Lima Sobrinho que com seu estilo magnífico e elegante penso e tento copiá-lo para não me imputar a baixeza moral e intelectual dos atuais tempos. Não consigo. O momento é de desgraça. Aqui se pode fazer tudo.

O caso Dantas é o desfecho da vitória da sem-vergonhice. A pilantragem é o guia prático da pátria.

O afastamento do delegado-chefe, Protógenez Queiroz, que comandou a operação que colocou um dos maiores salafrários do País em cana, determinado pelo presidente Lula e pelo ministro Genro, é a morte definitiva da esperança.

Ela que vinha sobrevivendo com ajuda de aparelhos, teve nesta atitude, o desligamento das máquinas.

A desculpa burocrática para o afastamento é apenas mais uma desfaçatez das autoridades, ou seriam desautoridades, que nos governam.

Os últimos 16 anos em que o Brasil é governado pela dupla PSDB-PT é atingido em cheio pelo caso "Dantas".

Para que nenhum estrago a mais venha a ocorrer devido ao nojento esquema Dantas, o melhor é tentar despistar o fato.

O Brasil aguarda sem nenhum anseio o ano eleitoral de 2010.

Para que eleger. Para assistir a desonra vencer?

Tanto faz quem será o próximo presidente da República Federativa do Brasil. Nenhum terá coragem de botar a mão nas cumbucas.

Pensei em Ciro Gomes. Será?

O esfacelamento da Nação, como diz Bautista Vidal, não é só econômico. É total!

Somos uma Nação sem termos uma Nação.

Não aprendemos com a nossa história.

Somos um amontoado de povo.

Escrevo tristemente que não tenho Nação.

A minha nacionalidade brasileira pouco importa aqui ou lá fora.

Somos apenas exportadores de talentos.

Nem o ludopédio nos anima mais.

Precisamos de uma Revolução Nacionalista aos moldes de 1930.

Que nos dê o Brasil!



Escrito por Humberto Azevedo às 21h17
[] [envie esta mensagem] []



O que se pode dizer de Gilmar Mendes?

Escrevo neste sábado à tarde, no momento que juro estar mais preocupado em assistir o jogo do Corinthians, para falar sobre a atitude no mínimo teimosa que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, teve ao emitir em menos de dois dias dois habeas corpus para o ricaço e almofadinha Daniel Dantas. Teimosia se explica. Mas acredito que seja mais que teimosia. Teimosia é o que qualquer um de nós fazemos quando acreditamos firmente numa coisa. Não acredito que o Sr. Gilmar Mendes acredite no Sr. Daniel Dantas. O que pode justificar um colarinho branco receber tão na cara uma facilidade tão grande para se livrar da cadeia? Posso suspeitar de várias coisas. Mas não posso afirmá-las com a certeza das provas. Primeiro porque seria leviano. Segundo porque o mundo desse tipo de gente é tão confuso e tão sórdido, que tenho medo só de pensar. Uma coisa que tenho certeza, é que o Sr. Daniel Dantas como o Sr. Gilmar Mendes não são pessoas de bem. Não são pessoas de caráter. Nunca estarei ou estaria ao lado - defendendo - esse tipo de gente que me causa ânsia de vômito. Não acredito neles. Não gosto deles. Não vou com a cara deles.

Quando mais jovem, tinha a sensação que minha ideologia é que me salvava. Mas hoje a minha ideologia é o ensinamento que tive e que aprendi. Ser correto. Ser do bem. Minha visão de mundo pode ser profundamente diferente a alguém que tenha uma visão de mundo completamente diferente da minha. Aprendi isso com o tempo. Ser de esquerda ou de direita não significa nada, a não ser o que cada um pensa de ti diante do mundo. A safadeza é tão comum tanto na direita como na esquerda.

Então por isso há muito tempo não sigo minhas atitudes ou meus julgamentos devido ao que penso, mas sobretudo pelo que sou e pelo o que as pessoas são.

As ligações que esse sujeitinho de quinta categoria possui com multi partidos e diversos parlamentares fez me crer na certeza do que eu tinha dúvida. O ex-prefeito de Sto. André, que hoje dá nome ao estádio de futebol daquele município - aliás o mesmo estádio palco do jogo de hoje entre S.C.C.P. e E.C.S.A. - Bruno José Daniel, foi assassinado por ter descoberto o que a banda podre do petismo, comandada pelo ex-chefão José Dirceu - reles funcionário de Dantas, segundo afirmações de Paulo Henrique Amorim, vinha fazendo com os parcos recursos do município.

Sei que isso é uma tese. Não acuso formalmente e nem o farei. Mas minhas impressões nunca deixaram-me enganar.

Quanto ao título deste texto, o que posso dizer do Sr. Gilmar Mendes é que ele agiu como um canalha.

Em tempo, estou ansioso para iniciar a leitura de mais uma bibliografia que endeusa os palistocêntricos de 32 e que endiaba a maior figura mártir da pátria no século XX, Getúlio Vargas. Estou ansioso porque comprei o livro "1932 - O Brasil se revolta" de autoria de José Alfredo Vidigal Pontes que tem como missão atribuir miticamente a visão de que a contra-revolução não era contra a revolução de 30 e sim uma revolução contra o "déspota" Vargas e contra a ditadura.

Não tenho medo. Pois, sei que a verdade é que a revolução é a de 1930. 32 foi a tentativa tresloucada da elite falida de S. Paulo que queria a todo custo o Brasil da velha república de volta.

Lerei com prazer mais um livro que atenta a imagem de Getúlio Vargas. Pelo menos atualizarei meu repertório das fundamentações (falsas) que os paulistocêntricos atribuem para tentar minguar o mito de Vargas.

Gilmar Mendes e Daniel Dantas, como o povão diz, são farinhas do mesmo saco! Eu digo mais: Mendes e Dantas representam perfeitamente os pensamentos dos paulistocêntricos de 1932.

Ave Brasil! Que todos os canalhas voem para o inferno. E que me deixem em paz!



Escrito por Humberto Azevedo às 18h09
[] [envie esta mensagem] []



Sobre Dantas

A última operação da Polícia Federal que resultou nas prisões de Daniel Dantas, Naji Nahas, Celso Pitta entre outros, é resultado e fruto da honradez, honestidade e brasilidade de alguns membros da Polícia, do Judiciário e do Ministério Público que não permitiram e nem aceitaram chantagens e ou subornos. Mas no campo da imprensa, devemos em grande parte, ao jornalista Paulo Henrique Amorim que fez da luta contra Dantas um cavalo de batalha pessoal. Louvamos o trabalho jornalístico da Carta Capital, da Revista Magazine do Portal Terra do Bob Fernandes e alguns outros. Mas a luta quase inglória de PHA foi fundamental.

Ouvir Diogo Mainardi dizendo "oba, oba, oba. Vão prender o Dantas" foi realmente espetacular. Pude perceber o quando este jornaleco de quinta categoria possui uma desfaçatez boçal. Na maior cara de pau, este Mainardi simplesmente vira para o público e afirma que não tem nada com isso. Cômico! No mínimo. Estapafúrdio! No máximo. Fingiu que não era com ele.

Já uma outra comprada, a Miriam Leitão, assume a defesa. Tadinho do Dantas. Foi preso como qualquer cidadão comum que comete um ilícito teria sido. Não só assumiu a defesa de Dantas e sua gentalha, como fez questão de firmar questão que a prisão decorreu unicamente graças ao Mensalão do Bob Jefferson. E tem gente (muita gente) que acredita!

Minha impressão pessoal e intransferível. Adorei o "pobre" do Dantas ser encaminhado à polícia, não só por ele, mas sim por que devido a isto, os líderes tucanos e pefelistas, assim como os próceres petistas, sobretudo de São Paulo, se ferraram.

Tomara Deus que a queda de Dantas signifique a queda da Bastilha dos grãos beneméritos paulistas.

Estarei plenamente aliviado se a República de S. Paulo chegar ao fim!

E a melhor resposta ao presidente do STF, Gilmar Mendes, que criticou a ação da Polícia Federal como uma atitude anti-democrática e autoritária, esfrego-lhe nas fuças as milhões de prisões diárias com direito a tapão na nuca que brasileiros, uns desonestos e outros tantos honestos, todos de comunidades carentes, são obrigados a passar.

Que ouçam Haiti de Gil & Caetano.



Escrito por Humberto Azevedo às 16h29
[] [envie esta mensagem] []



Delícias da e para a direita

A libertação da franco-colombiana, Ingrid Betancourt, ocorrida na noite de ontem é um prato cheio de guloseimas que a direita mundial está a degustar. Com velhos discursos, a baboseira que os direitistas universais estão a fazer, é uma algazarra de divertimento contra a esquerda. A libertação da ex-senadora colombiana e ex-candidata a presidir àquele país é com certeza o golpe mais fatal desferido contra o moribundo movimento dos guerrilheiros da Colômbia. Ingrid era a ameixa que o grupo político militar tinha em cima do bolo e que usava como moeda de troca. O líder venezuelano, Hugo Chávez, tentou em vão se apropriar da "ameixa" para o seu governo. Não conseguiu. Chegou tarde. O espaço para ações "humanitárias" na selva amazônica colombiana já estava ocupado pelo Exército Nacional da Colômbia angariado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos da América. O que Chávez tentou fazer foi desmistificar o mito das FARC's (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) como agente simplório do narco-tráfico. Mais uma vez repito que chegou tarde. A selva amazônica passou a ser monitorada pelos militares ianques. Graças ao acordo institucional entre Colômbia e EUA que permitiu que fosse dado um cheque-em-branco para os milicos do tio Sam. A guerra nos noticiários envolvendo a situação da região já havia sido vencida pelos pró-ianques. Com uma mídia vassala e tipicamente representada por segmentos nacionais que rezam e bem sob a cartilha do neo-colonialismo, qualquer tentativa de tirar a guerrilha de esquerda da Colômbia do tiroteio manipulador e condenador a que estava e está em processo, é inglório. Não há discussão sobre isso. Quem defende não a prática das FARC's, mas sim o objetivo, é imediatamente colocado como um sujeito que é a favor das práticas mais condenáveis. Quando é justamente o contrário. As FARC's perderam sim o tempo e o espaço. Mas neste processo todo, quem saiu ganhando e unicamente, foi o governo imperial dos EUA. Mais ninguém. A Colômbia perdeu e muito. Foi a que mais perdeu sem dúvidas. O processo de co-gestão entre Colômbia e EUA passou a ser chamada de parceria. Os soldados ianques tem livre acesso ao território colombiano e por que não aos territórios vizinhos. O Brasil perdeu a autoridade, que sempre lhe cabia na região, e a Venezuela de Chávez passou por tenebroso processo de desgaste contínuo quando tentou libertar todos os reféns das FARC's em troca de obter diante do mundo a atenção para as causas daqueles guerrilheiros. Foi tragado pela ira vociferante do dom rei Juan. Mais uma vez a América Latina, sobretudo a América do Sul, sai de um processo traumático sendo menos independente e mais submisso as matrizes européias sediadas em Washigton. Cabe agora aos "parceiros da paz" Bush e Uribe obterem as cabeças arrancadas. Não é à toa que a Colômbia é a única nação da região sul-americana destoante em governos menos tradicionais. E tudo isso acontece em meio a um processo que tornará ou não a Amazônia, não só a brasileira, mais desenvolvida. A região amazônica é o último reduto em que a atual civilização não chegou. Como esta civilização chegará dependerá e muito do tabuleiro atual. Ianques e seus sócios europeus estão em vantagem. Os interesses brasileiros e de seus vizinhos estão fortemente ameaçados. Os interesses dos sílvicolas serão apenas fantoches e marionetes nesta guerra entre metrópoles e colônias. Até porque já quase foram em sua totalidade dizimados por ordens das metrópoles. Uma verdadeira união entre povos amerígenas e seus nacionais contra o imperalismo das metrópoles poderia virar o jogo. Mas o que se promete é jogar nacionais contra nacionais, para mais uma vez as metrópoles aproveitarem a fartura de recursos minerais e naturais da última fronteira não explorada da Terra. Mas aí, já é outro tema.



Escrito por Humberto Azevedo às 18h19
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]